Pages

Tuesday, June 30, 2009

Primeiro Amor



"Meu primeiro amor foi um rapazinho de sorriso rasgado chamado António. Não passavamos ambos de duas crianças embora a empatia que sentiamos um pelo outro era grande. Hoje lembrei me dele. Gostava de saber que é feito daquele menino de olhos tão lindos, sorriso sincero que vivia me enchendo de beijinhos carinhosos e que deixavam meu coraçãozinho de seis aninhos bater descompassado. Os sentimentos quando são vividos em pleno dão-nos sempre a sensação que será para a eternidade. E eu na minha inocência pura pensava mesmo que aquele menino seria o homem dos meus sonhos. Tinhamos uma cumplicidade enorme, bastava um olhar meu para que ele me compreendesse e vice-versa. Provavelmente não voltei a sentir tal empatia novamente. Pelo menos numa forma tão pura. Pois se há algo que as crianças têem é a capacidade de amar, sem reservas, sem medo de preconceitos. O amar pelo simples prazer de amar. Perguntarme-ão se se pode amar tão cedo? Respondo-vos que o amor toma a forma que a gente quer, existem muitas formas de amar, e nenhuma delas será igual á outra. O amor inocente, desprovido de qualquer tipo de atracção física, um amor que faz nosso coração bater mais forte, que nos faz absorver a presença da outra pessoa, um amor que nos permite dar a mão timidamente como se se estivesse a praticar um "pecado". Um amor só nosso, um amor só meu. E está lá no meu passado como uma das mais belas recordações, daquelas que me aquecem o coração de cada vez que as relembro. E hoje tenho o meu coração quentinho com a mais bela lembrança do mais belo sorriso que conheci até hoje. Bela"

4 comments:

Cor do Sol said...

Acho engraçado isso dos amores nessas idades tão tenras. Eu nunca sequer pensei nisso até chegar à adolescência e quando as minhas crianças de 4/5 anos falem em namorados eu digo-lhes que têm muiiiiiiiiito tempo.

Mas, o que contas é ternurento :)

Brown Eyes said...

Há recordações que nos aquecem, nos dão aquele empurrão que precisamos para continuar e continuar sorrindo.
Um beijo

Abstinencia de Palavras said...

Que lindo :D Adorei..
Quando crianças somos genuinos. É daquelas coisas que mais gosto quando olho para uma criança. A simplicidade, a sinceridade e a inocencia. "Amar" a esta idade é possível, acredito que assim seja. Com o passar do tempo passamos a ser adultos, deixamos de ser crianças, deixamos aquelas caracteristicas próprias desta idade e amar se torna cada vez mais dificil. Se todos deixassemos a nossa criança interna sair.. tal vez seriamos capazes de amar da mesma forma. Gostei muito do post! ;))
Beijinhoss**

'Mimi said...

O meu primeiro amor também se chamava António ;)
Em criança é tudo muito mais facil :)