Pages

Wednesday, September 16, 2009

E ela vem silenciosa...

"A morte assusta - me. Se há algo que receio mais do que tudo é a morte. Não a minha morte, essa não me assusta. Mas assusta me sim a morte de quem amo, o tentar seguir com a vida em frente depois de um momento desses. Infelizmente já a senti bem de perto, demasiado perto. Ao longo destes anos tenho lutado contra esse fantasma que me assombra, que me tira a calma, que me tira a serenidade. Faz me sentir pequena, faz-me sentir fragil. É o esconder sentimentos, é o abafar o nó que se forma na garganta quando nos lembramos dos entes queridos. É o palpitar, é o pânico que se apodera de nós não nos deixando ser racionais. Esta semana voltei a senti-la. Não foi directamente comigo, e ao mesmo tempo sendo. Ela vem calada, Apodera-se do que nos é mais querido, rouba-nos o que mais temos de precioso. Não queria falar deste tema aqui, este blog não é um lugar para assuntos tão pesados que certamente tocam a todos nós de forma igual. Pois inevitavelmente todos teremos ou temos algum contacto com ela, mais tarde ou mais cedo. Este post vem a propósito do Pai de uma amiga que faleceu, faleceu nem um ano depois da esposa ter falecido. Sei como é essa dor, mas sentir essa dor quando a outra dor ainda lá se encontra será com certeza algo de nos tirar completamente a noção de justiça divina. Será o ser humano capaz de suportar tal dor? Sim é, o tempo encarrega-se de fazer suavizar esse sentimento, se bem que depois há aqueles dias em que sentimos tanto tanto a falta deles, que as emoções se tornam num redemoínho e ficamos á mercê destes nossos sentimentos mais tenebrosos. Espero sinceramente que a vida lhe proporcione momentos de extrema felicidade para que ela possa seguir em frente, arranjar a coragem para olhar a vida de frente e nunca, nunca perder a esperança. Eu até nos meus piores momentos é a ela que me agarro, a esperança de momentos melhores, mais felizes."

3 comments:

S* said...

A morte é assustadora... mas há que saber lidar com ela. Felizmente nunca perdi ninguem realmente importante para mim...

Anne said...

com o tempo, já não sobram mais que as vagas lembranças do seu cheiro, as fugazes recordações das rugas da sua face, ou o sussurro inaudível da sua voz. por um lado é mau mas isso anestesia-nos. faz com a dor não seja tão profunda.
a mim o que me assusta não é o acto de morrer. É o depois. o desespero do vazio, do nada. isso é o que me assusta.

Poetic GIRL - BELA said...

É Anne o depois assusta muito. É dificil de lutar contra ele... :) mas nem sempre é mau, há aqueles momentos de ternura que recordas e te fazem sorrir, aquecer teu coração... bjs