Pages

Wednesday, November 25, 2009

Magia do Natal

"Onde está a magia do Natal? Perdeu -se na imensidão de luzes que nos invadem desde inicios de novembro. Perdeu-se nas montras exageradamente enfeitadas apelando ao consumismo desmedido e egoísta. Perdeu-se por entre objectos fúteis e inúteis que apenas proporcionarão momentos breves de felicidade a quem os recebe, acabando por depois serem jogados para a mesma prateleira onde residem os dos anos anteriores. Entristece me este ambiente, entristece me esta "felicidade fingida" que se foca apenas no que é material, na ostentação dos presentes exagerados. Choca me a falta de sensibilidade, de respeito com o próximo, é o acotovelar, é a correria para comprar o presente mais caro e mais bonito que se pode encontrar. Muitas vezes nem se importando com a essência de quem recebe, o que conta é dar, mesmo que o presente não tenha a ver com a pessoa que o vai receber. Escolho meus presentes com cuidado, carinho, mas a verdade é que eu não preciso de Natal para presentear quem amo. Já surpreendi quem gosto muitas vezes com presentes fora de época. Existe algo melhor do que ver os seus olhares de incredulidade, os olhinhos a brilhar pelo miminho? As pessoas têm que se convencer que no fim não é o que é superfulo que conta, mas sim as emoções que criamos nas pessoas, os sorrisos que lhes proporcionamos, os abraços nos momentos certos? Não existem bens materiais que paguem o prazer que dá da sensação que temos quando alguém nos surpreende. É como se caminhassemos por entre as nuvens. Há quem fique admirado quando digo que não gosto do natal. Não gosto é da hipocrisia que o rodeia. Não gosto deste exibicionismo exarcebado que nos engole. Relembro a época em que o Natal tinha o cheiro de outros tempos, relembro o esperar "pelo miminho" que o Pai Natal nos iria trazer, sem grandes listas, sem pretensões nenhumas, pois sabia que "o nosso Pai Natal era pobrezinho". Cresci com essa noção que não devemos gastar num dia o que nos pode faltar o ano inteiro. Cresci a apreciar o pouco que tinha, que era o amor dos meus pais e irmã. E aquilo bastava -me. Mas mesmo isso foi me roubado e justamente no Natal. Por isso olho para o Natal com "outros olhos", vejo o que está por trás desta época e se fossemos por esse mundo fora, olhassemos mesmo para a realidade que nos rodeia, veríamos que o Natal é uma época, em que todos fingem que se importam com os outros quando na realidade será que nos importamos , com quem realmente precisa de roupa, comida, um tecto? Quantos de nós realmente contribuirão com o pouco que têm para trazer calor e alento a quem mais precisa? Eu contribuo, não tenho muito, mas todos os anos no final do ano faço uma contribuição para uma Instituição Social. Porque apesar de também eu presentear os meus com objectos, não consigo deixar de pensar nos que nem um abraço têm. E já que não os posso abraçar um a um, posso pelo menos contribuir para a sua alimentação no dia a dia, ou com um cobertor que os aqueça neste inverno frio. Sejamos humanos, em toda a concepção da palavra. Até os animais são mais solidários que muitas pessoas.... Bela"



3 comments:

Girl in the Clouds said...

O Natal é cada vez mais comercial, como a maior parte das datas!! É pena que o espírito natalício e de solidariedade seja cada vez mais raro!!

Brown Eyes said...

100% de acordo. Pena que as pessoas não se lembrem que é nesta quadra que as pessoas que estão sós no mundo se sentem mais deprimidas. Sabes que essas pessoas não me saem da cabeça nesse dia? Parecendo que não liga-se o Natal à familia e quem não a tem? Quem se sente só? Já comecei há uns anos atrás a cortar o Natal lá em casa e este ano o corte é radical, não vai haver nem decoração nem presentes. Como dizes consome-se à louca e sem se ter sequer noção do que o outro gosta ou necessita. Eu que sou contra o consumismo porque alinharia nisto? Tal como tu sabe-me bem é a surpresa, a lembrança, nem que seja uma caixa de bombonss num dia qualquer, não no Natal. Beijinhos Bela

Libelinha said...

Eu já algum tempo que não sinto aquele cheirinho de Natal... E depois de me ter sido roubado alguém no mês de natal... Os Natais tornam-se muito tristes lá em casa... Pois todos nós nos lembramos daquela "personagem" que passava a noite de consoada a fazer-os rir... Ou até mesmo a dar-nos o raspanete por estarmos a petiscar na mesa antes do jantar. E logo de seguida ele próprio petiscar também com um sorriso matreiro a dizer: só eu é que posso!...

O Natal para mim nunca foi muito consumista pois quando não se tem dinheiro não se cosome, lol... Mas gostávamos sempre de surpreender... Era-nos oferecido o que precisávamos nesse dia...

Beijinhos ;P