Pages

Wednesday, February 10, 2010

Gestos

"Sempre fui adepta mais de gestos do que palavras. Palavras bonitas todos nós sabemos dizer, agora expressar em gestos o mesmo que essas palavras simbolizam não é para todos. Gosto obviamente de palavras, mas não são palavras vãs, são palavras sentidas sempre aliadas de gestos que prolonguem o que as mesmas palavras querem dizer. Há tantos tantos momentos em nossa vida que as palavras são escusadas, o silêncio é acolhedor e não precisamos de mais nada. Gosto desses momentos em que nos aninhamos, ficamos assim nos braços de alguém sentindo apenas a presença um do outro. Gosto daqueles gestos espontâneos que têm para connosco, aquele leve tocar de mãos, aquele carinho que nos fazem, aquele abraço inesperado. Para sentirmos isso em pleno não necessitamos de palavras. Palavras sou melhor a expressá-las de forma escrita, do que ditas. Quantas vezes ouvimos palavras que julgamos sinceras, ficamos á espera dos gestos que comprovem essas mesmas palavras, mas simplesmente não chegam. De que adianta alguém dizer que gosta de mim, se nos gestos mais pequenos eu não noto isso? De que adianta proliferar palavras vãs que o vento vem e as leva? Nunca conseguiremos recordar todas as palavras que nos dizem, mas dificilmente esqueceremos os gestos que nos tocaram. Palavras têm o dom de nos iludir, tecer as tramas que nos envolvem. Qualquer pessoa com sentido de argumentação mais apurado conseguirá sempre tocar os outros pelas suas palavras, mas durante quanto tempo? Até ser apanhado em falso pelas mesmas palavras, ou pelo esquecimento das mesmas. Quantas vezes na vida nos são negadas palavras anteriormente ditas, retiradas abruptamente da boca de quem as proferiu? Negando-nos a existência das mesmas? Não acredito em palavras vãs que não venham acompanhadas de gestos que as demonstrem. Preciso mais de gestos, do que palavras, preciso mais de acções do que intenções. Estou farta de palavras ocas, que são ditas no calor do momento, depois depois vêm os gestos que são tão mas tão contrários a essas mesmas palavras, que me desiludem, me rasgam por dentro. Palavras são como teias que nos estendem, envolvem, para que depois sejam desfeitas de um momento para o outro. Não mais me deixarei iludir pelas mesmas, não mais, não quero. Doí demais depois, quando ficamos á espera do gesto que comprove essas mesmas palavras que não chega, nem irá chegar jamais...Bela"

Se ao menos soubessem ler os meus gestos. Se soubessem.

5 comments:

Helga said...

"Não mais...", são duas palavras poderosas quando ditas juntamente. O quanto custará demonstrá-las por gestos? Pensa nisso! Ás vezes não é fácil expressar o que as palavras querem dizer.

Beijinho :)

Poetic GIRL said...

Helga: sabes de palavras estou eu farta, chega a um ponto que nos fartamos dessas palavras que nos iludem. Daí eu dizer que os gestos são mais naturais... mas posso estar enganada, claro... eu até gosto muito de palavras.... bjs

Helga said...

Compreendo (acho eu) o teu sentimento. Diz-se muita coisa que não se sente, mas também se sente muita coisa que não se diz. Talvez seja aí, que pecamos, por não demonstrar-mos por gestos o que não pode ser dito por palavras :)

Brown Eyes said...

É preferível um gesto, por mais pequenino que seja, do que mil palavras ou palavras rebuscadas ou enfeitadas. Estou plenamente de acordo contigo.
Beijinhos

Anonymous said...

Ola Bela, realmente as palavras quando não são acompanhadas pelos gestos, são ocas, toda a beleza que existe nelas desaparece porque não passam apenas de fantasias. Eu quando escrevo as palavras vem realmente dentro de mim mas prefiro claramente traduzi-las em gestos.

Beijinhos

Pedro Ferreira.