Pages

Wednesday, August 25, 2010

Reflexão



"Atravesso uma fase em que me centro em mim. A espontaneidade de outrora deu lugar à cautela, o silêncio engoliu as palavras. A minha mente é um turbilhão agitado, canso-me de tanto pensar. Não exteriorizo, não sei encontrar a forma de o fazer. As palavras morrem antes de serem proferidas, os actos não chegam a ser actos. 
Se gosto deste estado? Não sei. Há momentos que gosto de me sentir calma, há momento que a calma me atrofia. Andarei a enganar, a esconder, a abafar os sentimentos? 
As noites não tem sido boas conselheiras. Invadem-me sonhos estranhos a roçar o psicadélico. Lembro-me de quem devia estar há muito esquecido, esqueço-me de quem me devia lembrar.
A verdade é que o meu espírito sempre foi inquieto. Agora só o é porque eu o obrigo a ser. Obrigo-o a uma postura, obrigo-o a agir de uma determinada forma. Para quê? Não sei.
Nunca fui pessoa de mostrar fraquezas, sempre as camuflei por entre lágrimas engolidas, desabafos de mim para mim. Mas a verdade é que a faceta de heroína nunca me assentou, assenta-me mais a imagem de pássaro ferido. Rodeio-me do que me faz sentir segura, mas não sinto segurança. Tenho medo dos "ses", tenho medo do que surge no horizonte. Mergulho de cabeça num sem fim de actividades que me façam alhear dos meus pensamentos. Mas à noite... à noite no silêncio do meu quarto, eles me atormentam. Devia ser-me permitido desligar estas questões que me atravessam, que me consomem. Os dias seguintes são sempre revigorados com novos desafios, novas etapas que me imponho, novas viagens no horizonte. Porque não gosto da sensação de não ter planos a curto prazo, sou mulher de actos, sou mulher de ter que ter algo por que esperar. E quando esse algo por esperar me falta, é como se me faltasse o chão.
Envolvo-me no meu próprio silêncio. Os meus desabafos esses são apenas partilhados no meu caderno. Escrevo e risco. Rasgo a folha. Amarroto o papel por entre os meus dedos. São mesmo desabafos. Desabafos que me parecem ridículos perante as adversidades de outros. Obrigo-me a pensar isso, obrigo-me a canalizar as emoções num outro sentido que não me façam olhar para dentro, mas sim olhar para fora. Mas e cá fora que há para eu olhar? Um mundo carregado de sofrimento, de perdas, de vidas ceifadas. Prefiro mil vezes a segurança dentro do meu EU... Bela"

7 comments:

Maria said...

"Envolvo-me no meu próprio silêncio. Os meus desabafos esses são apenas partilhados no meu caderno. Escrevo e risco. Rasgo a folha. Amarroto o papel por entre os meus dedos. São mesmo desabafos. Desabafos que me parecem ridículos perante as adversidades de outros. Obrigo-me a pensar isso, obrigo-me a canalizar as emoções num outro sentido que não me façam olhar para dentro, mas sim olhar para fora. Mas e cá fora que há para eu olhar? Um mundo carregado de sofrimento, de perdas, de vidas ceifadas. Prefiro mil vezes a segurança dentro do meu EU"

Muito bom aquilo que aqui escreves. E, olhar para fora, nem sempre vemos aquilo que gostaríamos de ver.
Por que a vida, quando +e vivida com sentimento, com profundidade, tem estas coisas. Por vezes, compensa os mais fracos, os mais audazes , os mais sacnas.
Mas nunca, nunca percas a esperança.
Vai ver o filme "Letters to Juliet", que apesar de ter mais a ver comigo, em certa parte pela idade, mas que me deu uma grande lição.
A ti será lindo pela ternura das personagens.
Vai. Dá alento ao nosso coração e ao ego.

Beijinho

pinguim said...

Compreendo o que dizes e sentes, embora eu me sinta bastante diferente.
Problemas temos todos, isso não se questiona, mas não procuro evadir-me deles, e talvez por isso, no silêncio da noite, não os encontro com frequência; prefiro encará-los o mais cedo possível e nunca fugir deles.

Paula said...

Identifico-me com tudo o que escreveste... até pareciam palavras minhas...
COMO TE ENTENDO!

Beijocas doces***

anf said...

Infelismente entendo o que sentes, pois por vezes sinto-me assim,

Bela devias aventurar-te nas escrita para o mundo, escreves demasiado bem para um blog apenas,
beijo grande e apertado

izzie said...

:)

Oh oh...

Beijinho,

Evinha said...

Lindo!!..intenso mesmo!..gostei muito;) ..beijinho para ti:*

Gi said...

E a cada texto seu, mais me descubro em suas palavras, mais próxima me sinto de ti.