Pages

Friday, September 10, 2010

Angústia

"Estou angustiada. E não, desta vez não é com as minhas baboseiras que agora me parecem ridículas perante males que assolam vidas alheias. 
Neste momento o meu coração está apertado de dor, ao pensar nos dois anjinhos a quem hoje a estrada roubou a mãe. Mais uma vítima deste mal que vitimiza a torto e a direito, sem dó nem piedade.
Existem palavras neste momento? Existe consolo a dar, quando a mesma estrada também nos roubou alguém? Hoje por mais boas noticias que receba, não aquietarão as minhas feridas que se voltaram a abrir, não apenas para a minha dor, mas para a dor de outrem. Mas que me dói como se fosse a minha.
Desculpem o desabafo, mas precisava mesmo de partilhar. Bela"

P.S. Não esqueçam andem devagar, mais vale perder 5 minutos do que perder uma vida inteira.

10 comments:

Robin K said...

Sei o que é perder alguém na estrada. Senti-o na pele e ao fim de tantos anos.....bom. Ainda o sinto todos os dias. A minha vida parou naquele momento e por vezes parece que nunca saí daquele chão. Daquele asfalto.

Tal como tu, noticias assim fazem-me pesar o peito.

MARIA MARIQUITAS said...

Eu sei o que isso é. Perder uma amiga de 20 anos assim, faz de nós pessoas diferentes sim senhora. A vida tem destas coisas...tudo muda num segundo, e nada volta a ser igual...

Beijinhos

Brown Eyes said...

Bela nascemos com o destino marcado o que não significa que não sejamos cautelosos e o conselho que deixaste nunca é demais lembrar. Um beijinho para te reconfortar.

Olga said...

A morte está mesmo ali sempre ao lado, quando chega a nossa hora é impossível fugir. Deviamos aceitar a partida dos nossos como aceitamos a sua chegada, mas na verdade não conseguimos, amamos demasiado os que são nossos. Quem conduz na estrada diariamente vê loucura atrás de loucura, as coisas acontecem porque as pessoas não tomam cuidados e outras vezes acontecem porque acontecem, tu própria não sabes explicar. Beijinhos.

caminhante said...

estes episódios repetem-se, dia após dia, a todas as horas. não se respeita mais nada nem ninguém... muito menos na estrada. em frente da casa dos meus pais, é quase todos os dias. há pouco tempo atrás, o meu pai assistiu ao acidente [que por muito pouco não o apanhou]: um autocarro atropelou um homem que atravessava na passadeira. morreu. nessa mesma semana, mais duas mulheres, na mesma passadeira, pela mesma companhia de transportes. a revolta é muita... mas o que fazer?
também este, um desabafo... ainda bem que nos temos uns aos outros por aqui...

[obrigada]

Poetic GIRL said...

Robin: Nem tenho palavras para descrever o quanto estas noticias mexem comigo. É horrível perder-se alguém assim, uma vida roubada! bjs

Poetic GIRL said...

Mariquitas: É tudo muda num segundo, tenho tanto medo a essas coisas! bjs

Poetic GIRL said...

Brown Eyes: É mesmo o destino querida, bjs

Poetic GIRL said...

Olga: Há situações que acontecem que são mesmo inexplicáveis! bjs

Poetic GIRL said...

Caminhante: Sim ainda bem que nos temos uns aos outros! bjs